quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Codigo de Amor do Seculo XII

1
A alegaçao de casamento nao e desculpa legitima contra o amor.
2
Quem nao sabe calar, nao sabe amar.
3
Ninguem pode se dar a dois amores.
4
O amor sempre pode aumentar ou diminuir.
5
Nao ha sabor no que o amante toma a força do outro amante.
6
So em plena puberdade o macho ama plenamente.
7
Prescreve-se a um dos amantes, a morte do outro, uma viuvez de dois anos.
8
Ninguem, sem haver uma razao mais que suficiente, deve ser privado de seu direito em amor.
9
Ninguem pode amar se nao e levado pela persuasao de amor (pela esperança de ser amado)
10
O amor e geralmente expulso de casa pela avareza.
11
Nao convem amar a quem se teria vergonha de desejar em matrimonio.
12
O amor verdadeiro so deseja caricias de quem se ama.
13
Amor divulgado raramente dura.
14
O sucesso muito facil logo tira o encanto do amor: os obstaculos dao-lhe valor.
15
Todo aquele que ama empalidece ao ver a pessoa amada.
16
A visao imprevista da pessoa amada, treme-se.
17
Um novo amor expulsa o anterior.
18
So o merito nos torna dignos do amor.
19
O amor que se extingue logo cai rapidamente e raramente se anima.
20
O apaixonado sempre teme.
21
Pelo ciume verdadeiro, a afeiçao de amor sempre aumenta.
22
Das suspeitas e ciumes derivados do amor, aumenta a sua afeiçao.
23
Menos dorme e menos come quem abriga pensamentos de amor.
24
Toda açao do amante termina em pensar na pessoa amada.
25
O amor verdadeiro so julga bom o que sabe agradar a pessoa amada.
26
O amor nada pode recusar ao amor.
27
O amante nao pode ficar saciado com o gozo da pessoa amada.
28
Uma fragil presunçao leva o amante a ter sinistras suspeitas da pessoa amada.
29
Em excesso, o habito dos prazeres impede o nascimento do amor.
30
Uma pessoa que ama e assiduamente e sem interrupçoes ocupada pela imagem da pessoa amada.
31
Nada impede que uma mulher seja amada por dois homens, e um homem, por duas mulheres.

Nenhum comentário:

Postar um comentário